segunda-feira, 19 de maio de 2014


                          "Guerra é paz....    
                                                         Liberdade é escravidão.....  
                                                                              Ignorância é força....."


Imagine como seria viver em uma sociedade cujo os valores se resumissem basicamente ás frases acima.

Assim é a vida de Winston, o protagonista da distopia literária mais famosa da história, 1984, obra escrita pelo genial George Orwell em 1948 (percebeu que ele inverteu os dois últimos dígitos?).


O livro se trata como já foi dito anteriormente, de uma distopia que mostra um mundo futurista onde um governo absurdamente autoritário faz de tudo para controlar a população de seu país no âmbito físico emocional e ideológico. Este mundo é dividido em três Megablocos: Lestásia, Eurásia e Oceania.


A história se passa na Oceania, e a trama se desenrola a partir das experiências de vida de Winston, um membro externo, comum e de classe média do partido Ingsoc, Partido Extremamente Autoritarista que governa com mãos de ferro o megabloco da Oceania comandado pelo seu líder o Grande Irmão, partido esse que usa a coletividade como forma de controle, através da queda da propriedade privada tudo pertence ao estado, e este por sua vez autoritário, e formador/ controlador de uma nação nacionalista ignorantes e submissos ás vontades do estado, Wisnton não se conforma com o controle absoluto que o partido detém sobre a população da Oceania, e quando eu digo controle absoluto, eu quero dizer absoluto mesmo.


Os cidadãos da Oceania são vigiados constantemente pelas teletelas, uma espécie de televisão com conteúdo produzido pelo governo afim de controlar as massas, onde do outro lado alguém monitora cada espectador afim de avaliar suas condutas, através desse aparelho impossível de ser desligado ou abaixado o volume (salvo alguns membros do partido de cargos mais altos ainda assim só podiam desligar por um determinado período de tempo).


Além disso existia a polícia do pensamento que eram agentes treinados para vigiar detectar e delatar e os chamados ideocriminosos (palavra em novilingua para designar criminosos ideológicos, pessoas que pensam diferente do que é  imposto pelo governo). Novilíngua é a língua criada pelo governo que consiste basicamente em simplificar a língua ao máximo afim de controlar ainda mais o pensamento humano, uma vez que, não se pode pensar palavras que não existam.


Caso um ideocriminoso fosse apanhado seria vaporizado, ele e tudo referente a ele seria destruído era como se o sujeito nunca tivesse existido, apenas um ideocriminoso era lembrado, Emmanuel  Goldstein, o inimigo número um do partido, considerado traidor da pátria ele era acusado de formar um grupo revolucionário oposto ao governo denominado A Fraternidade.


Mas agora você deve estar se perguntando, mas onde está a conspiração em tudo isso? Afinal, essa não é a semana de conspiração? Sim! Pois é, a conspiração é a seguinte e se eu te disser que vivemos no mesmo mundo de Winston?


Nós vivemos!!!!! 

Somos vigiados a todo momento.


 Olhe a sua volta, seu computador revela detalhes de sua vida pessoal através das redes sociais, no seu condomínio tem câmeras, na sua rua também, nos ônibus, nos capacetes dos motociclistas, nos caixas de banco, no seu celular, opa! Era nesse ponto que eu queria chegar. A pouco tempo atrás criaram o  SPY desenvolvido para namoradas desconfiadas vigiarem seus namorados, consiste em um aplicativo capaz de monitorar de um celular para outro ligações, mensagens e-mails, fotos, agenda, localização via GPS em tempo real, além de poder acionar o microfone remotamente para ouvir o som ambiente MESMO COM O CELULAR DESLIGADO.


 Você pode me dizer agora que isto não tem nada a ver com governo, porém pense comigo caro leitor, se essa tecnologia já chegou nas mãos de civis, o que os militares e os governantes não devem usar para nos espionar? E usam, Edward Joseph Snowden é um analista de sistemas ex funcionário da CIA que veio a público em junho de 2013 para denunciar detalhes de programas de vigilância globais na CIA e NSA, como esquemas para escutas telefônicas leitura de e-mails etc.


Quem não se lembra, quando em setembro de 2013 nossa Presidenta Dilma Rouseff foi vítima de espionagem (se conseguem espionar uma chefe de estado quem dirá eu...), ou até mesmo o monitoramento das redes sociais durante as manifestações, vivemos em mundo onde somos vigiados todos constantemente, mas a questão é no livro 1984, eles pelo menos sabiam os métodos empregados pelo governo, e nós?



Para mais informações do livro, acesse: 
http://www.orelhadelivro.com.br/livros/105225/1984/


Por Lycos,
Obrigado.


by Bookníaco s 22:19 1 comment

Um comentário:

Bookmark Us

Delicious Digg Facebook Favorites Stumbleupon Twitter

Search